Notícias - Samarco

Publicado 15/06/2019

Comunidades da foz do Rio Doce vão receber projeto de aquaponia

Comunidades da foz do Rio Doce vão receber projeto de aquaponia

Iniciativa, chamada Cultivando para Pescar, será realizada em Areal, Entre Rios, Povoação e Regência, em Linhares (ES)

Pescadoras e pescadores profissionais artesanais de quatro comunidades de Linhares (ES) receberão o projeto de aquaponia Cultivando para Pescar. Fruto de uma parceria da Fundação Renova com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES) - Campus Piúma, o projeto terá aporte de mais de R$ 4 milhões e duração de 24 meses.

O contrato foi firmado após deliberações acordadas junto ao CIF (Comitê Interfederativo) e reuniões com as comunidades - em atendimento ao TTAC (Termo de Transação de Ajustamento de Conduta). O objetivo é fomentar a geração de renda dos pescadores locais.

Como funciona o projeto


A aquaponia une o sistema de piscicultura (criação de peixes em tanques como os da foto) com a criação de hortaliças.

A aquaponia é uma integração da criação comum de peixes (piscicultura) com o cultivo de hortaliças. Os peixes, criados em tanques e alimentados por ração, liberam dejetos ricos em nutrientes, que são bombeados para outra parte do sistema, onde estão as hortaliças. Assim, as raízes das plantas, cultivadas sem solo, se alimentam dos nutrientes e ainda purificam a água, que retorna para o local onde são produzidos os peixes.

Cada comunidade vai receber seis sistemas coletivos para a produção de tilápias e hortaliças. Ao todo, serão implantadas 24 unidades de aquaponia, além de um sistema de controle no IFES de Piúma.

A tilápia foi a espécie de peixe escolhida por apresentar ração comercial mais completa, grande número de fornecedores de alevinos e outros insumos, compradores certificados e boa aceitação no mercado por parte do cliente final. O peixe também tem excelentes índices zootécnicos de conversão alimentar, sobrevivência, tolerância a intempéries climáticas e ganho de peso diário.

Para a execução das atividades, será formado um grupo gestor, composto pela Fundação, pelo corpo técnico do IFES de Piúma e representantes das quatro comunidades beneficiadas. O grupo vai se reunir trimestralmente para discutir o desenvolvimento das ações e a necessidade de ajustes no projeto.

Camila Camilo, líder do Programa de Retomada das Atividades Aquícolas e Pesqueiras da Fundação Renova, destaca a importância do projeto para as comunidades. “Pretendemos estabelecer, na prática, uma forma de complementar a renda de pescadoras e pescadores que tiveram suas atividades impactadas. Essas comunidades terão uma nova atividade produtiva com capacitação e acompanhamento”, diz.

Confira os locais e datas das reuniões de lançamento do Projeto Cultivando para Pescar, nas quatro comunidades beneficiadas:



Fonte: Assessoria de Imprensa Fundação Renova