Notícias - Gerais

Publicado 17/01/2020

Exportação de ferro gusa pelo Porto de Vitória cresce 29%

Exportação de ferro gusa pelo Porto de Vitória cresce 29%

Com um aumento de 29% no volume de movimentação em 2019, comparado ao ano anterior, o Porto de Vitória exportou 820 mil toneladas de ferro gusa e a empresa Multilift foi a operadora responsável por toda carga embarcada. A operação foi realizada no berço 905, do terminal público de Paul, em Vila Velha.

O produto chega de trem ao Porto de Vitória, vindo de Minas Gerais, direto para o navio. O estado vizinho exporta, anualmente, cerca de torno de 2,3 milhões de toneladas de ferro gusa, sendo que 35% desse volume sai pelo Porto de Vitória.

O gerente comercial da Multilift, Wagner Cantarela, explica que a empresa foi vencedora de um processo concorrencial promovido pelo Sindicado da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais (Sindifer) entre os operadores portuários pré-qualificados pela CODESA. 

Os equipamentos de embarque são de propriedade do Sindifer, cuja composição contempla: moega ferroviária, sistema de correias transportadoras e ship loader (carregador de navio). Além de atuar como operador portuário a Multilift também é responsável pela manutenção de todo o sistema de embarque, de modo a garantir pleno funcionamento de um conjunto de equipamentos que tem mais de 50 anos, sem comprometer o carregamento dos navios.

Eventualmente, de forma excepcional, ocorrem operações de embarque de ferro gusa nos demais berços públicos do Porto de Vitória, com utilização do sistema Multilift de caçamba articulada. A empresa também usa sistema próprio de caçamba articulada de descarga automática, que executa uma operação de forma ambientalmente sustentável, mesmo em períodos de chuva. Todos os equipamentos e seus acessórios são devidamente certificados pelos órgãos de controle e fiscalização. Além do ferro gusa a Multilift utiliza o sistema de caçambas articuladas de descarga automática para embarque de outros granéis, como o concentrado de cobre e hidrato de alumina.



Fonte: ASCOM - CODESA