Notícias - Fibria

Publicado 27/03/2019

Transporte de madeira da Suzano em barcaças é recorde em 2018

Transporte de madeira da Suzano em barcaças é recorde em 2018

34% da madeira que abasteceu a indústria de celulose da empresa, em Aracruz (ES), chegou em barcaças no decorrer de 2018

O sistema de cabotagem marítima para transportar madeira entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo, para abastecer a indústria de celulose, encerrou 2018 com o melhor desempenho histórico ao longo dos seus 16 anos. Foram 2,76 milhões de m3 de eucalipto, equivalentes a 34% de toda a madeira que chegou à fábrica da Suzano, localizada em Aracruz (ES). Essa madeira foi transportada em 496 viagens de barcaças, carga equivalente a cerca de 50.200 viagens de tritrem (carreta com três semirreboques) que deixaram de ser feitas por rodovia.
 
A cabotagem marítima foi instituída na empresa com o objetivo de diversificar os modais de transporte e reduzir a quantidade de viagens de carretas nas rodovias. O bom desempenho é resultado dos investimentos na modernização do transporte marítimo, com a instalação de guindastes de grande porte que passaram a fazer o carregamento das barcaças no Terminal de Caravelas (BA) e o descarregamento no Terminal de Barra do Riacho (ES). Os guindastes representaram ganho de produtividade na operação, carregando/descarregando as barcaças com mais agilidade e segurança.
 
Antes do investimento nos guindastes, a movimentação de madeira nas barcaças era feita com máquinas carregadeiras, que entravam e saíam da embarcação com os feixes de toras de eucalipto. Com esse sistema anterior, a madeira em barcaças respondia, em média, por 25% do abastecimento de matéria-prima na indústria de celulose, bem abaixo dos 34% registrados em 2018.
 
Os guindastes de grande porte instalados nos Terminais de Barcaças de Barra do Riacho e de Caravelas foram importados da Finlândia, país de grande tradição na indústria florestal. Um grupo de operadores do Portocel ­– porto especializado na movimentação de produtos florestais e que é controlado pela Suzano – foi até lá fazer treinamento para operar os equipamentos e replicar o aprendizado para outros trabalhadores.
 
A empresa investiu R$ 54,4 milhões na instalação de quatro guindastes, dois no Terminal de Barra do Riacho (anexo ao Portocel) e dois no terminal da empresa em Caravelas (BA). No Terminal de Barra do Riacho o empreendimento tem uma particularidade: os guindastes são movidos a eletricidade gerada na própria fábrica da Suzano, que é autossuficiente em energia. Além de mais eficiente, a operação com esses equipamentos é mais sustentável não só por consumir energia renovável, mas também por emitir menos CO2 ao não utilizar combustível de origem fóssil.

Sobre a Suzano
A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 11 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem aproximadamente 37 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.



Fonte: P6 Comunicação