Notícias - Fibria

Publicado 18/08/2021

Suzano vende 2,8 milhões de toneladas de celulose e papéis no segundo trimestre de 2021

Suzano vende 2,8 milhões de toneladas de celulose e papéis no segundo trimestre de 2021
Forte ritmo de vendas contribui para queda da alavancagem da companhia 

A Suzano, fabricante de produtos de bens de consumo líder nas regiões Norte e Nordeste, comercializou 2,8 milhões de toneladas de celulose e diferentes tipos de papéis ao longo do segundo trimestre de 2021. Os dados constam no balanço trimestral da companhia, a maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina. 

As vendas de celulose alcançaram 2,5 milhões de toneladas entre abril e junho. A celulose é a matéria-prima utilizada na fabricação de papéis sanitários, embalagens, fraldas, máscaras e papéis de imprimir e escrever em geral, entre outros produtos essenciais para o dia a dia das pessoas. No segmento de papéis, as vendas atingiram 296 mil toneladas. 

A receita líquida da empresa totalizou R$ 9,8 bilhões, o maior resultado trimestral desde a constituição da Suzano S.A., em janeiro de 2019. A companhia opera 11 fábricas no Brasil, dentre elas cinco unidades de Bens de Consumo localizadas em Mucuri (BA), Imperatriz (MA), Belém (PA), Cachoeiro de Itapemirim (ES) e Maracanaú (CE), responsáveis pela produção das linhas Mimmo®, Le Blanc®, Max Pure®, Max Pure Baby®, Floral® e Scala®.  

Outro destaque positivo do trimestre foi a retração no nível de endividamento da empresa. A alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e EBITDA ajustado caiu de 3,8 vezes em dólar ao final de março para 3,3 vezes ao final de junho. 

“Os números alcançados no segundo trimestre evidenciam, mais uma vez, a robustez financeira da Suzano e mostram que a companhia tem construído, ao longo dos últimos trimestres, as condições necessárias para viabilizar a instalação de uma nova fábrica de celulose no Mato Grosso do Sul”, afirma o presidente da Suzano, Walter Schalka. O andamento do projeto, anunciado em maio deste ano, ainda está sujeito ao cumprimento de condições precedentes. 

A desalavancagem da Suzano ocorre mesmo diante do maior volume de investimentos da empresa. Apenas no segundo trimestre, os desembolsos em projetos de manutenção, expansão e outros totalizaram R$ 1,3 bilhão. Ao longo do período, a Suzano realizou paradas programadas nas Unidades Aracruz (ES) e Limeira (SP). A partir dessas unidades, além das outras nove fábricas da companhia, a Suzano abastece cerca de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo. A previsão da empresa é investir R$ 6,2 bilhões em 2021, montante 48% superior ao total desembolsado no ano passado.


Fonte: Assessoria de Imprensa Suzano