Notícias - Fibria

Publicado 07/04/2020

Suzano investe em tecnologia de monitoramento florestal no Pará, Maranhão e Tocantins

Suzano investe em tecnologia de monitoramento florestal no Pará, Maranhão e Tocantins

 A empresa acompanha 24h por dia uma área de 600 quilômetros

Como forma de proteger as florestas e de Áreas de Preservação Permanente, a Suzano, referência global na produção de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de árvores, investe em tecnologia de ponta para monitorar 24 horas por dia todas as ações de sua base florestal em um raio de 600 quilômetros, nos estados Pará, Maranhão e Tocantins.

A Central de Monitoramento, situada na Unidade de Imperatriz, conta com imagens em tempo real 24h por dia a partir de 39 câmeras instaladas em campo. Além disso, conta com o apoio de 43 repetidoras, possibilitando comunicação “on time” com todo o time operacional em caso de alguma ocorrência. Todos esses equipamentos estão instalados e distribuídos em 43 torres de monitoramento em campo.

A equipe conta com 350 profissionais, entre colaboradores da empresa e terceirizados que fazem parte do “Proflor”, área específica dentro da Suzano que foca em proteção florestal e visa garantir a qualidade das florestas frente à incidência de incêndios, questões climáticas e doenças.

Os equipamentos utilizados são capazes de realizar um acompanhamento visual e sonoro de focos de incêndio, desvios fisiológicos – como déficit hídrico e incidência de pragas, além do monitoramento patrimonial. As câmeras possuem uma tecnologia de detecção de fumaça que aumentam a agilidade na detecção de incêndios e na locomoção de uma equipe especializada para mitigar os danos.

Para a supervisora de operações florestais, Camila Teixeira, essa agilidade é uma das maiores vantagens da central de monitoramento. “Temos uma visualização imediata de tudo o que está acontecendo em um raio muito grande e uma comunicação direta via rádio com toda a Unidade de Imperatriz. É como se a floresta estivesse em nossas mãos”, ela garante.

Em apenas dois anos da implantação desta tecnologia na unidade, foi possível reduzir 78% das áreas atingidas por incêndio florestal no período de 2015 a 2019. Esse resultado se mostra importante para uma região que possui uma situação crítica em relação a focos de queimadas.

Além das ações de monitoramento, o Proflor também se dedica a fazer em ações de prevenção nas comunidades, alertando sobre a importância do patrimônio florestal para a saúde ambiental e a qualidade de vida. Todas essas campanhas e investimentos são pensados para promover a educação ambiental e desenvolvimento sustentável e responsável nas cidades onde a companhia atua.



Fonte: Comunicação Suzano