Notícias - Fibria

Publicado 01/07/2014

Projeto ensina crianças a terem atitudes seguras no trânsito

Projeto ensina crianças a terem atitudes seguras no trânsito

Desenvolvido pelo Instituto Júlio Simões em parceria com a Fibria, o projeto Pequenos na Direção orientou 475 estudantes de Vila do Riacho.

Com o objetivo de conscientizar e orientar crianças sobre a importância das atitudes seguras no trânsito, a Fibria realizou em parceria com o Instituto Júlio Simões o Projeto Pequenos na Direção, envolvendo estudantes da Escola de Ensino Fundamental Álvaro Souza, de Vila do Riacho. Por meio da iniciativa, 475 alunos entre 6 a 12 anos participaram, no início deste mês, de diversas ações educativas com orientações sobre o trânsito.

As atividades incluíram palestras, filmes, teatro com fantoches e palhaços, atividades artísticas e pista educativa (circuito urbano com sinalização) e fantasias dos diferentes tipos de veículos (carros, caminhões, ônibus e motos). Além dos alunos, a atividade teve a participação de 47 professores, três colaboradores da JSL e um policial rodoviário federal.

A conscientização deve ser iniciada na infância. Por isso, o projeto ensina de forma lúdica e prazerosa, as regras do trânsito e a importância de ter atitudes seguras. Foram abordados temas como uso correto do cinto de segurança, como atravessar a rua e andar de bicicleta com segurança, além de curiosidades sobre os caminhões da JSL, explica Gilcilei Oliveira Fernandes, coordenador de Saúde, Segurança e Meio Ambiente das Operações Florestais da JSL.

“As crianças participam de simulações como se estivessem no trânsito e aprendem o significado das placas, como atravessar a rua etc. Além desse processo educativo, a Fibria promoveu um diálogo operacional que atua como uma ferramenta de relacionamento com a comunidade. Por meio dele, conversamos com a população sobre as operações que afetam àquela comunidade, alinhamos ações que minimizem possíveis impactos e divulgamos o 0800, principal contato da empresa. Para evitar quaisquer riscos, a carreta trafega a uma velocidade de 20 km/h dentro da região e são colocados quebra-molas em locais estratégicos. O caminhão também é rastreado via satélite e a equipe está sempre em alerta”, ressalta Claudia Cristina Belchior, consultora de Sustentabilidade da Fibria.

Fonte: Pauta 6 Comunicação