Notícias - Fibria

Publicado 02/02/2016

Fibria encerra 2015 com novos recordes de receita líquida, ebitda e geração de caixa

Fibria encerra 2015 com novos recordes de receita líquida, ebitda e geração de caixa

- Receita líquida cresce 42% no ano e atinge R$ 10,1 bilhões, novo recorde para um período de 12 meses - Ebitda de 2015 totalizou R$ 5,3 bilhões, um crescimento de 91% sobre o ano anterior, e margem Ebitda de 53% também é a maior da companhia para um período de 12 meses - Fluxo de caixa livre anual recorde de R$ 2,9 bilhões - Lucro líquido de R$ 357 milhões será majoritariamente destinado para pagamento de dividendos - Alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda, em dólar, fecha o ano em 1,78 vezes, abaixo dos limites da política financeira da empresa

A Fibria, empresa brasileira de base florestal e líder mundial na produção de celulose de eucalipto registrou receita líquida de R$ 10,1 bilhões em 2015, 42% acima do registrado em 2014 e novo recorde para o período de um ano. No quarto trimestre de 2015, a receita líquida foi de R$ 3 bilhões, 7% superior ao trimestre anterior. Também recorde para um período de 12 meses, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado atingiu R$ 5,3 bilhões, representando um crescimento de 91% do montante registrado em 2014. No quarto trimestre, o Ebitda ajustado foi de R$ 1,6 bilhão, um aumento de 5% em relação ao trimestre anterior. A margem Ebitda em 2015 ficou em 53%, sendo também um novo marco no desempenho econômico da companhia. A robusta evolução de 351% na geração de fluxo de caixa livre em 2015 também foi outro destaque nos resultados da companhia ao registrar o recorde de R$ 2,9 bilhões, sem considerar os pagamentos de dividendos, o investimento (Capital Expenditure – Capex, na sigla em inglês) na expansão da Unidade de Três Lagoas (MS) – o projeto Horizonte 2 – e a compra de terras realizada no final do ano. Desse total, R$ 866 milhões foram gerados no último trimestre do ano. “O ano de 2015 marca uma nova fase da nossa história, com decisões estratégicas importantes rumo a um novo patamar de competitividade e aumento de capacidade operacional. Com o projeto Horizonte 2, que segue dentro do cronograma, iremos ampliar nossa posição de liderança global no setor de celulose”, diz o presidente da Fibria, Marcelo Castelli. Em 2015, a Fibria obteve lucro líquido de R$ 357 milhões principalmente em função do seu forte desempenho operacional, ainda que parcialmente compensado pelo impacto contábil da variação cambial sobre seu resultado financeiro, não presente em períodos de estabilidade da moeda. A administração da companhia propôs a distribuição de 87% do lucro líquido de 2015 em dividendos aos acionistas, que totaliza R$ 300 milhões e será submetida à próxima Assembleia Geral que ocorrerá em abril. A proposta de distribuição de R$ 300 milhões em dividendos, que contempla R$ 218,7 milhões em dividendos adicionais ao dividendo mínimo obrigatório de R$ 81,3 milhões, baseia-se na política de dividendos lançada em 2015, que prevê ainda a possibilidade de uma remuneração adicional ao acionista ao longo do ano, caso sua geração de caixa supere os cenários previstos, desde que respeitadas suas Políticas de Endividamento e Liquidez e o seu compromisso com o Grau de Investimento. A companhia encerrou 2015 com dívida líquida em dólar em US$ 2,8 bilhões. A alavancagem, medida pela relação entre Dívida Líquida e Ebitda, encerrou o ano em 1,78 vezes, em dólar, abaixo dos limites estabelecidos na Política Financeira da empresa. Destaques do Ano Em maio de 2015, a Fibria anunciou o Projeto Horizonte 2, que ampliará a capacidade de produção de sua Unidade de Três Lagoas, localizada no estado do Mato Grosso do Sul. O investimento total é de R$ 8,7 bilhões, equivalente a cerca de US$ 2,2 bilhões, já estando com a estrutura financeira equacionada. A nova linha de produção de celulose da Fibria em Três Lagoas (MS), cuja pedra fundamental foi lançada em 30 de outubro passado, irá aumentar a capacidade de produção da Companhia para mais de 7 milhões de toneladas e ampliar sua competitividade no mercado global.

Também em maio, a Fibria firmou um contrato comercial com a Klabin para comercialização da totalidade da produção de celulose de fibra curta da unidade em construção em Ortigueira (PR) – projeto PUMA – a ser destinada para países fora da América do Sul.

“Com o consistente fluxo de caixa livre registrado no ano, conseguimos dar início ao projeto de Horizonte 2, pagar R$ 2 bilhões em dividendos intermediários em dezembro sem comprometer a qualidade do nosso crédito, confirmado recentemente como Grau de Investimento e com perspectiva estável pelas 3 agências de rating em meio a um cenário adverso na economia brasileira”, afirma Guilherme Cavalcanti, diretor de Finanças e Relações com Investidores da Fibria. Pelo sétimo ano consecutivo, a Fibria foi selecionada para integrar o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa e para compor, mais uma vez, o Índice de Sustentabilidade para países emergentes da Bolsa de Nova York (DJSI Emerging Markets). Em 2015, a Fibria foi escolhida como empresa criadora de tendências para o desenvolvimento sustentável (Sustainable Standard-Setter Award) pela ONG Rainforest Alliance. Acompanhe os destaques dos resultados da Fibria no quarto trimestre de 2015 nas redes sociais pela hashtag #FIBR3_4T15 Fonte: P6 Comunicação