Notícias - Fibria

Publicado 24/06/2014

Fibria é autossuficiente na geração de energia

Fibria é autossuficiente na geração de energia

A produção própria de energia auxilia na redução da geração de resíduos industriais.

Num país em que mais de 60% da geração de energia provêm de usinas hidrelétricas, o desabastecimento de água, que já é

realidade em algumas regiões, torna-se uma questão ainda mais séria. A Fibria dá sua contribuição para minimizar o problema: a fábrica de celulose da empresa, em Aracruz, é autossuficiente na geração de energia e fornece energia excedente para o sistema elétrico.

A fonte de geração de energia da empresa é o calor obtido a partir da queima de resíduos de madeira e biomassa líquida, ou seja, trata-se de uma matriz energética renovável. A Fibria produz, em média, 185 MWh de energia e consome 154 MWh. O excedente de 20 MWh é negociado no mercado pela Votorantim Energia (Votener), que faz parte do conglomerado do Grupo Votorantim, ao qual a Fibria também pertence.

Em 2013, a unidade industrial capixaba produziu 1.465.500 MWh de energia e, deste total, 94.332 MWh foram excedentes, o que daria para alimentar o consumo residencial de uma cidade de 500 mil habitantes.

A autossuficiência energética é uma realidade distante para a grande maioria das empresas do Brasil, que dependem fundamentalmente da compra de energia do sistema elétrico. A Fibria faz parte de um pequeno grupo das indústrias do país que são autossuficientes na geração de energia, o que é um diferencial competitivo importante para a empresa.

Ao produzir a energia que consome a partir da queima de resíduos, a Fibria também dá um passo importante no que diz respeito à redução da geração de resíduos industriais. Até 2025, a empresa pretende reduzir em 91% a quantidade de resíduos enviada a aterros sanitários. Isso significa gerar 5 kg de resíduo para cada tonelada de celulose produzida.

Sobre a Fibria Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria possui capacidade produtiva de 5,25 milhões de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA). Nesta última ela mantém a Veracel em joint venture com a Stora Enso. Em sociedade com a Cenibra, opera o único porto brasileiro especializado em embarque de celulose, Portocel (Aracruz, ES). Com uma operação integralmente baseada em plantios florestais renováveis, a Fibria trabalha com uma base florestal própria de 970 mil hectares em áreas localizadas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Bahia, dos quais 343 mil são destinados à conservação ambiental. A Fibria mantém cerca de 18.900 trabalhadores, entre empregados diretos e indiretos, e está presente em 254 municípios de sete Estados brasileiros.

Fonte: Pauta 6 Comunicação